quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

A Caixa Preta da Petrobras

As ações da Petrobras não param de cair. Pergunta: dada a enorme queda no preço das ações da Petrobras, não seria de se esperar que investidores aproveitassem o momento e comprassem essas ações? Os preços das ações da Petrobras estão, em valores nominais, parecidos com os de julho de 2005!!!! Ontem a Petrobras anunciou um belo lucro, adivinhem o que ocorreu com o preço de suas ações? CAIU!!! Exatamente por que uma empresa anuncia um belo lucro e suas ações caem?

As ações da Petrobras caíram por um motivo simples: o futuro da empresa é incerto. Anos de interferência política nas decisões da empresa estão cobrando seu preço. Hoje o mercado, isto é, a sociedade, simplesmente não confia na Petrobras o suficiente para colocar seu dinheiro nela.

Existem vários motivos para a desconfiança do mercado. O mais óbvio e evidente deles é o endividamento da empresa. Dentro da fábrica encantada de truques contábeis do governo, a "genialidade" tentou dar aquele empurrão na maquiagem do lucro, na esperança de que isso convencesse o mercado. Infelizmente para o governo o truque foi percebido, claro que não notar o endividamento gigante da empresa (com alta espantosa nos últimos dois anos) não é tarefa fácil.

Mas existem outros motivos não tão óbvios para desconfiar da Petrobras. Quando uma empresa dá de presente um patrocínio de R$ 650 mil para o MST, isso já mostra bem o cuidado que ela tem com seus recursos. Não vamos esquecer também que dentro dos "ativos" da Petrobras estão alguns bens de valor duvidoso, tal como a refinaria de Pasadena.

Lembram-se do caso da Caixa Econômica Federal? Lembram-se como ela fez para aumentar seu lucro? Quem garante que a Petrobras não está a fazer as mesmas manobras? Mas as perguntas não param por ai: quais outros ativos duvidosos não estão dentro do balanço da Petrobras? Podemos realmente confiar na contabilidade da Petrobras? E, como fica a estratégia de reajuste dos combustíveis? A Petrobras vai poder finalmente reajustar o preço dos combustíveis? Se puder como serão esses reajustes? E como procederá a Petrobras em caso de desvalorizações do câmbio? Tais desvalorizações poderão ser repassadas ao preço dos combustíveis? E a manutenção das plataformas, estão realmente sendo feitas de maneira adequada? Ou será que andam protelando as manutenções em plataformas para evitar quedas na produção? E as plataformas feitas com exigências de componentes mínimos nacionais (acima do que ocorria antes), são realmente eficientes? Qual seu custo de manutenção? Qual o risco de algumas dessas plataformas apresentarem problemas? O recente problema envolvendo subornos de funcionários da companhia serão investigados ou vão ficar no limbo?

São dúvidas demais para uma empresa que tem ações negociadas em bolsa... essa é uma verdadeira caixa preta da Petrobras... aliás, o que a CVM tem a dizer sobre isso?

3 comentários:

Anônimo disse...

A empresa só tem um propósito: propaganda política. Os diretores passam ordens para que os gerentes gastarem. Isso mesmo, gastem e cumpram as metas de "investimento". A Petrobras não precisa fraudar licitações (isso é pontual). Basta a diretoria mandar o pessoal comprar que vários fornecedores serão beneficiados, e isso é igual a voto. Recentemente a empresa liberou o uso de rede sociais internamente. O pretexto foi "modernidade", mas o que ela viu foi uma oportunidade de por os empregados para fazer propaganda da empresa em rede sociais. Criam gráficos lindos sobre a empresa, colocam na intranet e mandam os funcionários publicarem nas redes sociais. Existem funcionários contratados apenas para fazer isso. Toda empresa faz publicidade, mas até que ponto é ético no caso da Petrobras porque as contas da má administração cairão nos colos dos contribuintes.

José Matias Pereira disse...

Parabéns pela matéria, Adolfo. O mercado é um ente cauteloso. Diante de dúvidas, freia. Do ponto de vista contábil o problema do endividamento de longo prazo da empresa é alarmante (cerca de 260 bi). Isso é agravado pela sangria sistemática da empresa. Quando uma empresa do porte da Petrobrás é usada, sem pudor, para conter a inflação e atender interesses políticos, gera-se um clima de desconfiança. Junto com a crise de desconfiança vem a perda de credibilidade, quando se percebe que o gestores não reúnem a condições necessária para tirar a empresa da crise. O próximo governo vai receber as empresas estatais em frangalhos, em especial, a Petrobrás e a Eletrobrás. Abraço, José Matias-Pereira

Luiz Carlos Reis disse...

Parabéns Adolfo.
O problema brasileiro está cada vez mais sério e dependemos de fontes alternativas de opinião inteligente.

Google+ Followers

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Follow by Email