quinta-feira, 14 de agosto de 2014

A Brevidade da Vida e a Boneca de Bambam

"Matamos o tempo, o tempo nos enterra" (Machado de Assis)

Ontem comecei o dia animado. A noite seria a vez da Presidente Dilma se apresentar no Jornal Nacional. Triunfante afirmava "Hoje cai a Máscara: Se tudo seguir o ritmo normal a candidatura de Dilma termina hoje". Mas as coisas não seguiram seu ritmo normal. As perspectivas mudaram, o cenário mudou, tudo mudou num espaço de poucas horas. Como a nos lembrar de nossa insignificância e incapacidade de planejar ou prever o futuro. O mundo tem de suas ironias.

Grandes planos, grandes expectativas estão a um passo da frustração ou da glória, mas não é nossa a palavra final. O que podemos fazer é dar o nosso melhor, acreditar sempre na vitória, e estarmos prontos e de cabeça erguida frente as derrotas da vida. Mas podemos também fazer algo mais. Podemos não esperar o dia seguinte para iniciarmos nossos planos, podemos não esperar até amanhã para perdoar um irmão ou amigo, podemos ligar para alguém que temos saudade apenas para dizer "olá". Perdoar, amar, dizer que sente saudade, dar uma nova chance a alguém, iniciar novos planos, não precisamos esperar amanhã para isso.

No final do dia vale a pena relembrar da boneca de Bambam. No primeiro Big Brother Brasil da rede globo o vencedor foi Bambam. Ele ficou famoso por ter se desesperado certa vez que seus colegas esconderam sua boneca. Todos riram. Por meu turno fiquei a meditar "Será que sou assim? Será que meus problemas também não são bonecas?". As vezes tendemos a transformar pequenos incômodos em verdadeiros monstros. Assim, quando estiver chateado, pergunte-se se não está você também a chorar por uma simples e insignificante boneca. A maior parte de nossos problemas são insignificantes frente a brevidade da vida.

Nenhum comentário:

Google+ Followers

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Follow by Email