quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

O que penso sobre a reaproximação EUA-Cuba

Do ponto de vista econômico o bloqueio imposto pelos Estados Unidos à Cuba ajudou a difundir a miséria na ilha, e a afundar ainda mais a frágil economia cubana. Aqueles que consideram a globalização um mal deveriam ver em Cuba a prova de que estão errados. Se globalização fosse ruim o bloqueio americano deveria ter dinamizado, e não prejudicado, a economia cubana. Se o objetivo do bloqueio americano era ajudar a destruir a economia cubana não há dúvidas de que foi um sucesso.

Do ponto de vista político o bloqueio foi claramente um fracasso. O tempo passou e os Estados Unidos foram se isolando nessa posição. Outros países passaram a se aproximar de Cuba e, na América Latina, não restam dúvidas de que Cuba desfruta de um prestígio superior ao americano. Se dúvida disso, veja as declarações dos presidentes de Brasil, Argentina e Venezuela sobre a reaproximação: todos exaltam Cuba e mostram-se felizes com o recuo americano.

Certamente existem motivos pró e contra a manutenção do embargo americano à Cuba. Infelizmente, a impressão que tenho é que a decisão do presidente Obama foi baseada em votos. Mais especificamente os votos de cubanos na Florida, estado chave nas eleições presidenciais americanas. Pelo menos foi isso que deduzi do que vi.

Se o presidente americano quisesse uma reaproximação baseada em motivos geopolíticos, e isso é lícito, deveria ter conversado antes e discutido a questão com líderes do Partido Republicano. Isso seria uma demonstração que tal política é uma ação de Estado, e não de governo. Da maneira como foi feita, às escondidas, sob segredo, a impressão que se tem é que essa é mais um gesto de autopromoção política do que exatamente uma decisão geopolítica.

A decisão americana, da maneira como foi tomada, é simplesmente um recuo: reconhece-se que o bloqueio não funcionou, mas nada obtém-se em troca. Cuba continuará mantendo presos políticos, continuará na lista de países que apoiam o terrorismo (de acordo com o próprio governo americano), e continuará uma ditadura. Claro que quando se comete um erro o mais sábio é abandoná-lo, nesse sentido sempre há espaço para se reconhecer o bloqueio como tal e deixa-lo para trás. Contudo, da maneira como foi feito tal acordo, o que me parece é que os motivos que levaram a reaproximação são bem menos geopolíticos e bem mais politiqueiros.

Acredito que, quando ocorrer, o fim do bloqueio americano a Cuba ajudará os cubanos. Levará mais cubanos a dependerem menos do governo, o que sempre é o primeiro passo para a consolidação de uma oposição viável. Tal abertura também imporá custos a manutenção da ditadura dos irmãos Castro, pelo menos a nível internacional espera-se mais abertura agora. Enfim, acredito que a suspensão do bloqueio cubano foi uma decisão acertada. Contudo, me parece ter sido tomada por motivos torpes.

3 comentários:

Anônimo disse...

Viu essa referência ao seu paper?
http://www.brasilpost.com.br/alexandre-andrada/por-que-somos-tao-violent_b_6340926.html?ncid=fcbklnkbrhpmg00000004

Marcos Paulo disse...

Não seria por defesa a um novo alinhamento de cuba com a Rússia? (Lembram Mísseis Russos?)

samuel disse...

"Contudo, me parece ter sido tomada por motivos torpes."
NÃO É PELA COR DA PELE, NÃO É POR NÃO TER NASCIDO NOS EUA, NÃO É POR VIR DE UMA RELIGIÃO EXÓTICA (Islamismo), NÃO É POR TER TODA SUA VIDA ASSISTIDO OS SERMÕES DO PASTOR WHITE ( hate america, brothers!)
É O DESEJO DE PREJUDICAR OS EUA
IT IS THE IDEOLOGY STUPID!
Um bom exemplo aos eleitores de que não se deve votar em quem odeia o país! Vide a turma do PT. Ohhhh como são iguais....

Google+ Followers

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Follow by Email