quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Moeda, Dívida Pública e Inflação

Existem duas definições comumente aceitas de inflação.

Definição 1: Inflação é o aumento generalizado e persistente do nível de preços.

Definição 2: Inflação é a perda do poder aquisitivo da moeda.

Se você aceita uma das duas definições acima, então existe uma única explicação para a inflação: excesso de moeda. Se você aceita uma das definições acima a consequência disso é que você deverá necessariamente aceitar que a inflação é SEMPRE um fenômeno monetário. Não há um único modelo teórico onde exista inflação, mas não exista moeda. Isso ocorre pois a ÚNICA maneira de TODOS os preços subirem (definição 1 de inflação) é o excesso de moeda. Além disso, a única maneira da moeda perder seu valor é em caso de um excesso relativo da oferta desta em relação a sua demanda (definição 2 de inflação).

Se o que disse acima está correto, então por que tanta gente diz que moeda não causa inflação? Ou ainda que existem outras causas para a inflação? A resposta é simples: a definição prática do que é moeda e de como medir a inflação gera essa confusão.

O que é moeda? Moeda é qualquer coisa que satisfaça três requisitos: a) reserva de valor, b) numerário (os outros bens são precificados em relação a essa coisa), e c) meio de troca. Qualquer coisa que satisfaça esses três itens é moeda. Por exemplo, no passado o sal era usado como moeda. Logo toda inflação vinha necessariamente do excesso de sal em relação a sua demanda. No passado, a moeda mais usada no mundo, por um período de tempo extremamente longo, foi o ouro. Toda inflação era resultado do excesso de ouro em relação a sua demanda. Alguns especialistas argumentam que existem modelos teóricos sem moeda, mas que geram inflação. Qual o truque? O truque desses modelos é que eles possuem uma "coisa" que tem as três propriedades acima, mas em vez de chamarem essa "coisa" de moeda, eles a chama de dívida pública. Ora tal como o sal e o ouro no passado, caso a dívida pública tenha as propriedades da moeda ela certamente poderá ser a origem da inflação. Mas isso não invalida o que afirmei acima (de que toda inflação é necessariamente um fenômeno monetário).

O pioneiro na análise da importância da dívida pública na economia foi Marco Antônio Martins, brasileiro que estudou em Chicago e publicou sua tese de doutorado no Journal of Political Economy. Outro pioneiro no estudo da importância da dívida pública sobre a inflação brasileira, termo tecnicamente conhecido por dominância fiscal, foi Tito B. Moreira que escreveu sua tese de doutorado sobre o tema ainda no começo deste século (curiosamente ambos são ignorados pela grande mídia). Recentemente, um texto de Mario Jorge Cardoso de Mendonca, Tito Moreira e Adolfo Sachsida analisa a possibilidade de ocorrência de dominância fiscal no Brasil.

Notem que coisa curiosa. Imaginem duas folhas de papel em branco. Na primeira o governo carimba os seguintes dizeres "R$ 5,00", já na segunda o carimbo diz "Esse título da dívida vale R$ 5,00". Os economista dirão que o primeiro papel gera inflação, mas o segundo não. Por mais estranho que isso pareça ao leitor, isso ocorre pois o primeiro papel satisfaz as características de moeda, enquanto o segundo não. Mas resta evidente que, na medida em que o segundo papel se assemelhe a moeda, poderá sim gerar inflação.

Resumindo, dívida pública pode sim gerar inflação. Mas isso não invalida o fato de que esse efeito ocorre necessariamente pela expectativa desse papel ser moeda (ou poder vir a se tornar moeda no futuro).

Aos que dizem que moeda não gera inflação, creio que deveriam também argumentar em favor da monetização da dívida pública (imprimir moeda e pagar a dívida do governo). Ora se moeda não gera inflação então por que o governo deveria emitir títulos públicos? Seria muito mais razoável emitir moeda (em vez de emitir títulos públicos e ser obrigado a pagar juros por eles).

Muitos citam a recente grande expansão monetária ocorrida nos Estados Unidos (conhecida por QE's), sem o consequente aumento no nível de preços, como indício de que não existe uma relação tão direta entre moeda e inflação. Aqui, em minha opinião, o problema é outro: quando o governo aumenta a oferta de moeda nem todos recebem a mesma quantidade de moeda, e nem todos a recebem ao mesmo tempo. Além disso, você não gasta esse aumento de moeda de forma equânime (isto é, você não aumenta seu consumo de todos os bens proporcionalmente).

Por exemplo, se R$ 10.000,00 caíssem do céu na mão de cada brasileiro alguns iriam consumir mais feijão, outros mais gasolina, e outros fariam uma reforma em sua garagem. Mas é improvável que alguém que já se alimenta comesse mais feijão em decorrência desse dinheiro a mais. Logo, a demanda por feijão não aumentaria tanto como a demanda por carros usados por exemplo. Note que tal expansão monetária geraria um grande aumento no preço de carros usados, mas tal aumento dificilmente seria captado pelos índices de preço tradicionais. Por outro lado, tal excesso de moeda não teria muito efeito no preço do feijão. Note que neste exemplo o excesso de moeda não tem grande impacto na inflação se a mesma for medida pela cesta básica.

Novamente, de acordo com minha opinião, os QE's que ocorreram nos Estados Unidos podem não ter impactado nas medidas tradicionais de inflação. Contudo, esse aumento de moeda acabou sendo direcionado para algum mercado específico (mercado imobiliário ou bolsa de valores, por exemplo) daí o fato dos índices de preço não capturarem o impacto do aumento da oferta de moeda sobre o custo de vida (tradicionalmente medido). No fundo, esse excesso de moeda acaba por criar bolhas em alguns mercados (essa explicação vem da Escola Austríaca de economia).

7 comentários:

gabriel disse...

Bom texto, Adolfo. Essa discussão sobre os QEs não terem gerado inflação nos EUA já foi alvo de troca de farpas entre o Krugman e a EA. Se não me engano o artigo do pessoal da EA respondendo a essa crítica se chama "Krugman ataca a Escola Austríaca". Dê uma olhada.

Anônimo disse...

Interessante, mas os títulos privados de alta liquidez também não seriam considerados moeda nessa definição? No entanto, uma forma muito melhor de moeda, pois é lastreada nos ativos da entidade emissora, ao contrário dos títulos públicos, que é lastreado em... sei lá, impressora...

caio silva disse...

Adolfo, suas análises e palestras são fantásticas, ouço mais sua opinião do que a de qualquer outro economista brasileiro para decidir meus investimentos. Seu texto e apresentação sobre a crise fiscal falam a mais pura verdade, uma pena que não te deram ouvidos, mas a democracia é assim mesmo, afligida pela demagogia. De toda sorte, fico feliz de ver que nem por isso você perde seu bom humor. Abraços.

caio silva disse...

Adolfo, suas análises e palestras são fantásticas, ouço mais sua opinião do que a de qualquer outro economista brasileiro para decidir meus investimentos. Seu texto e apresentação sobre a crise fiscal falam a mais pura verdade, uma pena que não te deram ouvidos, mas a democracia é assim mesmo, afligida pela demagogia. De toda sorte, fico feliz de ver que nem por isso você perde seu bom humor. Abraços.

caio silva disse...

Adolfo, é por textos como esse que você é o economista brasileiro cuja opinião tenho em mais alta estima na gestão dos meus investimentos. Gostei muito de seu texto sobre a crise fiscal e também da palestra que está no YouTube, uma pena que nossos representantes demagogos não tenham dado ouvidos a seus conselhos. O bom é ver que, apesar de você ver com clareza o cenário futuro ruim que se descortina, você não perde o bom humor em seus vídeos e palestras. Queria eu ter essa força! Abraços.

Anônimo disse...

Pura bobagem, adolfo!
Macroeconomia é pseudociencia.
Vide paul romer.
Vc eh um grande picareta. Assim como todo economista.

Anônimo disse...

Mas o título público só tem este efeito quando emitido como moeda de troca pelo governo.
No caso de aplicações, como o Tesouro Direto, o investidor tem que utilizar a moeda para a aquisição do título.
Já os juros gerados, quando não existe o crescimento do PIB, realmente podem ser um fato gerador da inflação.

Google+ Followers

Gadget

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Follow by Email